Google Chrome vai marcar conexões HTTP como “inseguras” em 2017

- Mateus Barboza - - 13 de setembro de 2016 | - 3:56 - - Home » » - - Sem Comentários

Para que mais sites implementem criptografia e proteja melhor os usuários a gigante empresa Google vai começar a marca sites com HTTP padrão com inseguras no navegador da empresa o famoso Google Chorme.

A partir de janeiro, você poderá começar a receber avisos de segurança do Google Chrome.

É parte de uma visão mais ampla do Google de favorecer sites que contam com criptografia HTTPS. O buscador já leva em conta o fato de um site criptografar ou não o tráfego na hora de determinar como ele aparece nos resultados das pesquisas, e agora o Chrome vai alertar quando os dados estão sendo transmitidos de forma desprotegida por um site.

google

A ideia do Google Chorme é aproveitar a sua influencia de centenas de milhores de usuarios para promover que os sites adotem o HTTPS e quanto antes, para uma melhor segurança e privacidade na web.

A partir da versão 56 do Chrome, programada para lançamento em janeiro de 2017, o navegador exibirá um alerta de “inseguro” em sites que não protegem senhas ou informações.

google-chrome

Segundo a membra da equipe de segurança do Chrome, Emily Schechter diz: “Atualmente, o Chrome indica conexões HTTP com um indicador neutro. Isso não reflete a verdadeira falta de segurança em conexões HTTP”.

De acordo com o Google, metade das páginas carregadas pelo Chrome agora são criptografadas usando HTTPS, e a adoção desse importante protocolo de segurança está crescendo entre os sites.

A importância de ter o HTTPS em seu site é muito enorme. Sempre que os dados não estão protegidos pelo HTTPS (indicados pelo cadeado verde na barra de URLs), eles estão vulneráveis para que alguém na rede pode ver o que você está acessando ou então alterar o site antes que ele retorne e podem também roubar os seus dados bancários e pessoais com a navegação de sites criptografados.

Com informações: Olhar Digital

Deixe seu comentário!

Para: Google Chrome vai marcar conexões HTTP como “inseguras” em 2017

Participe